BLOG

Conheça o efeito protetor das bactérias probióticas

Cada vez mais as pesquisas vêm mostrando a importância da nossa microbiota, o conjunto de microrganismos que fazem parte do nosso corpo, para a nossa saúde intestinal, mental e é claro a saúde da nossa pele. Para manter essa microbiota equilibrada, já é rotina para algumas pessoas a ingestão diária de probióticos, tanto na forma de bebidas como kefir, kombucha, ou o famoso Yakult, como também na forma de suplementação de cepas probióticas em cápsulas ou sachês. Os benefícios dos probióticos se estendem ao nosso corpo todo, incluindo nossa pele.

Inúmeros estudos têm demonstrado um efeito benéfico de bactérias probióticas  na prevenção do câncer de pele, envelhecimento precoce, dermatites, acne e manchas, quadros onde foi observado um desequilíbrio da microbiota bacteriana. No entanto, algumas bactérias probióticas são capazes de lutar frente a frente não apenas com outras bactérias para nos proteger, mas também contra fungos e até mesmo os atualmente tão temidos vírus.

Bactérias probióticas do grupo das produtoras de ácido lático (as LAB do inglês Lactic Acid Bacteria), como os Lactobacillus e Bifidobacterium, possuem uma forte ação antiviral. Basicamente são três os mecanismos de atuação das LABs contra os vírus: 1- interação direta bactéria-vírus, 2- produção de substâncias que inibem os vírus, 3- estímulo do nosso sistema imune.

1- Interação direta:

Estudos demonstraram que algumas dessas bactérias LABs conseguem aprisionar componentes virais entre suas células impedindo a infecção. Isso acontece com várias espécies de Lactobacillus e o vírus da influenza por exemplo.

2- Produção de substâncias antivirais:

O ácido lático, resultado do metabolismo de carboidratos dessas bactérias, bacteriocinas (substâncias antimicrobianas produzidas por bactérias) e o peróxido de hidrogênio são algumas importantes substâncias inibitórias dos vírus. Este último é tóxico a vários microrganismos, incluindo o HIV-1 (vírus da imunodeficiência humana tipo 1) e o  HSV-2 (vírus da herpes simples tipo 2). O baixo pH, resultado da produção do ácido lático, também é capaz de inativar esses vírus, e componentes da parece celular de Lactobacillus brevis foi capaz de impedir a replicação viral in vitro.

3- Estímulo do sistema imune:

Os Lactobacillus principalmente, possuem uma capacidade muito grande de ativar nosso sistema imune. Estudos demonstraram que Lactobacillus plantarum foi capaz de induzir a expressão de interleucinas IL-12 em macrófagos de camundongos e ativar o sistema imune contra o vírus da influenza H1N1.  Alguns estudos sugerem que probióticos podem diminuir tanto o risco quanto a infecção por vírus respiratórios através da imunomodulação do nosso sistema imunológico.

Como vimos, bactérias probióticas podem proteger contra não apenas bactérias patogênicas, mas também contra vírus, como HIV-1, HSV-2, influenza e H1N1. Isso quer dizer que nosso organismo precisa estar equilibrado para que nosso sistema imunológico trabalhe adequadamente e consiga nos proteger contra infecções oportunistas. Isso vale para todos as partes e órgãos do nosso corpo, inclusive a pele, o maior deles. Por isso os produtos faciais da Laviz trabalham exatamente com esses probióticos Uma pele equilibrada é muito menos propensa a ataques e infecções; é muito mais hidratada, bonita e saudável.

Referencias:

Botic´ T, Klingberg TD, Weingartl H et al (2007) A novel eukaryotic cell culture model to study antiviral activity of potential probiotic bacteria. Int J Food Microbiol 115:227–234.

Wang Z, Chai W, Burwinkel M, Twardziok S, Wrede P, Palissa C, Esch B, Schmid MFG (2013) Inhibitory influence of Enterococcus faecium on the propagation of swine influenza a virus in vitro. PLoS One 8:e53043.

Kawashima T, Kyoko H, Akemi K, Megumi K et al (2011) Lactobacillus plantarum strain YU from fermented foods activates Th1 and protective immune responses. Int Immunopharmacol 11:2017–2024.

Klebanoff SJ, Coombs RW (1991) Viricidal effect of Lactobacillus acidophilus on human immunodeficiency virus type 1: possible role in heterosexual transmission. J Exp Med 174:289–292.

Conti C, Malacrino C, Mastromarino P (2009) Inhibition of herpes simplex virus type 2 by vaginal lactobacilli. J Physiol Pharmacol 6:19–26.

Mastromarino P, Cacciotti F, Masci A, Mosca L (2011) Antiviral activity of Lactobacillus brevis towards herpes simplex virus type 2: role of cell wall associated components. Anaerobe 17:334–336

Lehtoranta L, Pitka¨ranta A, Korpela R (2014) Probiotics inrespiratory virus infections. Eur J Clin Microbiol Infect Dis. doi:10.1007/s10096-014-2086-y. Al Kassaa, Imad, et al. “Antiviral potential of lactic acid bacteria and their bacteriocins.” Probiotics and antimicrobial proteins 6.3-4 (2014): 177-185.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter