BLOG

Cosméticos com probióticos e o envelhecimento da pele: potente ação anti-idade

Assim que começamos a respirar, a ingerir oxigênio, se inicia toda a cascata de reações oxidantes no nosso organismo, que vão culminar no envelhecimento celular. Apesar de inevitável, podemos prolongar a saúde e beleza da nossa pele através de uma série de cuidados que farão toda a diferença. Um deles é através do uso de cosméticos equilibram nossa microbiota, contendo ingredientes de ação probiótica, prebiótica ou posbiótica.

O termo probiótico é definido como microrganismos vivos que quando ingeridos em quantidades adequadas conferem benefícios ao hospedeiro, no caso nós humanos.  Os primeiros relatos relacionando probióticos ao envelhecimento datam de 1907, quando Elie Metchnikoff percebeu uma relação entre a ingestão de bactérias láticas presentes no iogurte com maior longevidade (Gordon 2008). Desde então várias pesquisas foram realizadas com Lactobacillus, Bifidobacterium e Bacillus, entre outras bactérias para se entender melhor como elas agem e quais benefícios conferem.

Vejam a seguir 5 ações dos cosméticos contendo probióticos na nossa pele e como eles atuam para prevenir o envelhecimento precoce.

1- EQUILIBRAM A MICROBIOTA E PREVINEM A QUEBRA DE COLÁGENO E ELASTINA

Pesquisadores descobriram que quando bactérias ruins se estabelecem na nossa pele começam a secretar enzimas, as metaloproteinases (MMPs), também chamadas de “enzimas do envelhecimento”, enzimas de quebra do tecido. Essas enzimas utilizadas são utilizadas para que elas consigam penetrar na pele, e para isso degradam o nosso colágeno e elastina, componentes essenciais da nossa derme. E todos nós sabemos o que ocorre quando perdemos colágeno e elastina, nossa pele se torna flácida, sem elasticidade e com aspecto envelhecido.

Cosméticos que possuem ingredientes de ação probiótica e prebiótica restauram o equilíbrio da microbiota, impedindo que bactérias patogênicas colonizem a nossa pele e degrade nossa matriz colagênica. A abordagem clássica foca apenas na preservação da barreira física e ignora a crucial microbiota. A solução para retardar o envelhecimento da pele e manter a pele saudável é restaurar e proteger esta barreira biológica preciosa.

2- PROTEGEM CONTRA OS EFEITOS DA RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA

A irradiação ultravioleta (UV) do sol é o principal fator ambiental que causa o envelhecimento da pele humana, pois também induz a expressão das metaloproteinases de matriz (MMPs). Um estudo demonstrou o papel dos Lactobacillus na inibição da expressão desses genes de degradação de colágeno induzida pela radiação UV., além de atuar na promoção da síntese de procolágeno tipo 1 e reduzir a produção de espécies reativas de oxigênio (ROS), prevenindo e atenuando os sinais de envelhecimento.

3- PROTEGEM CONTRA O ESTRESSE OXIDATIVO

Nós sabemos que o excesso de radicais livres produzidos e acumulados no nosso organismo está relacionado com o  envelhecimento celular, onde as espécies reativas de oxigênio (ROS) tem um papel chave. Isso ocorre com todas as estruturas biológicas, inclusive com a nossa pele.

Na pele envelhecida a produção de ROS é maior e o resultado é aumento na quebra de colágeno e outros componentes da derme. Foi demonstrado que os probióticos produzem moléculas bioativas que conferem benefícios anti-oxidantes potentes, reduzindo a produção de ROS e assim o envelhecimento da pele.

4- PRODUZEM PÓS-BIOTICOS

Pós bióticos nada mais são que metabólitos produzidos pela nossa microbiota durante seu crescimento e colonização na pele. Dentro dessa categoria encontramos o ácido hialurônico, ácido lipoteicóico (LTA), ceramidas, ácido acético, ácido lático, entre outras substâncias.

Pesquisas demostraram que algumas espécies de Lactobacillus são capazes de produzir ácido hialurônico, uma molécula altamente hidratante e preenchedora da nossa pele.

Disfunções do estrato córneo relacionadas ao envelhecimento estão associadas a deficiência nos níveis de ceramidas. Estudos tem mostrado a eficácia de extratos probióticos selecionados no aumento dos níveis de ceramidas no estrato córneo in vivo, melhorando o tônus, reduzindo a perda de água e os sinais de envelhecimento.

5- MANTEM O PH ADEQUADO DA PELE

O pH normal da nossa pele está na faixa de 4,2 a 5,6, um pH ácido, que ocorre devido a várias vias metabólicas e de degradação enzimática de fosfolipídios de membrana, que geram os ácidos graxos livres que contribuem para a acidificação do estrato córneo.

Este ambiente mais acídico é extremamente importante, pois impede a colonização de bactérias patogênicas, ruins. Também atua mantendo a umidade na pele através da absorção de agua pelos aminoácidos, sais e outras substâncias do manto hidrolipídico, e regulando a atividade enzimática de importantes enzimas da nossa pele.  Por exemplo, muitas proteases, enzimas de quebra de moléculas, tem seu pH ótimo de atuação na faixa do pH 7 ou mais, e portanto não “funcionam” adequadamente no pH mais baixo.  Assim, qualquer desbalanço na microbiota que leve a um aumento de pH, ocasionará um estimulo da atividade dessas enzimas, resultando em aumento na descamação da pele e quebra de moléculas importantes.

O uso de produtos com ação probiótica é extremamente importante  pois eles são capazes de produzir moléculas ácidas, como ácido lático e ácido propiônico, mantendo o ambiente adequado, e consequentemente as enzimas da nossa pele responsáveis pelo envelhecimento não serão estimuladas.

E então? Vamos colocar esses produtos maravilhosos na rotina???

Referências

Byrd, Allyson L., Yasmine Belkaid, and Julia A. Segre. “The human skin microbiome.” Nature Reviews Microbiology 16.3 (2018): 143.

Grice, Elizabeth A., and Julia A. Segre. “The skin microbiome.” Nature Reviews Microbiology 9.4 (2011): 244.

Hong, Y. F., young Lee, H., Jung, B. J., Jang, S., Chung, D. K., & Kim, H. (2015). Lipoteichoic acid isolated from Lactobacillus plantarum down-regulates UV-induced MMP-1 expression and up-regulates type I procollagen through the inhibition of reactive oxygen species generation. Molecular immunology, 67(2), 248-255.

How probiotics are fueling a toxin-free skincare revolution | Guardian Sustainable Business | The Guardian. Wed 26 Oct 2016 20.43 BST. https://www.theguardian.com/…/oct/…/probiotic-bacteria-products-skincare-acne-agin

Lew, Lee-Ching, Chee-Yuan Gan, and Min-Tze Liong. “Dermal bioactives from lactobacilli and bifidobacteria.” Annals of Microbiology 63.3 (2013): 1047-1055.

Sárdy, Miklós. “Role of matrix metalloproteinases in skin ageing.” Connective tissue research 50.2 (2009): 132-138.

Nakai, Hiroko, et al. “Lactobacillus plantarum L‐137 upregulates hyaluronic acid production in epidermal cells and fibroblasts in mice.” Microbiology and immunology 63.9 (2019): 367-378.

Shirzad, Mahdieh, et al. “Anti-elastase and anti-collagenase potential of Lactobacilli exopolysaccharides on human fibroblast.” Artificial cells, nanomedicine, and biotechnology 46.sup1 (2018): 1051-1061.

Zapata, Heidi J., and Vincent J. Quagliarello. “The microbiota and microbiome in aging: potential implications in health and age‐related diseases.” Journal of the American Geriatrics Society 63.4 (2015): 776-781.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter